DayTrippers – Paixão em Viajar

Vale Sagrado dos Incas: Muita História Inca Nos Arredores De Cusco

No caminho entre as belezas arquitetônicas de Cusco e o surrealismo das ruínas de Machu Picchu está o Vale Sagrado, um conjunto de construções Incas extremamente interessante por sua diversidade e valor histórico.

Nossa primeira parada, voltando de Machu Picchu foi Ollantaytambo, uma agradável cidadezinha turística cujas ruinas podem ser acessadas pagando-se o caríssimo boleto turístico. Como o boleto não encaixava no nosso orçamento apreciamos as ruinas de Ollantaytambo de fora mesmo e aproveitei o finalzinho da tarde quando a porta da saída estava aberta para ver de perto os detalhes das construções. Dali, atualmente, também saem os trens para Águas Calientes, enquanto está sendo feita a reforma na ferrovia que liga Cusco à cidade.

Vista das ruínas de Ollantaytambo

Os misteriosos círculos de Moray

De lá fomos para um outra façanha Inca muito interessante e diferente. As ruínas de Moray são terraços circulares que em função da posição e profundidade chegam a ter uma diferença de 15o C entre as mais distantes. Isso associado ao fato de que ali se encontraram muitas sementes e um sistema de irrigação leva a crer que esse era um laboratório de agricultura Inca. Sofisticados, não? Adoramos encontrar ruínas diferenciadas no Peru, afinal o país conta com aproximadamente 5.000 sítios arqueológicos e muitos acabam sendo mais do mesmo.

O laboratório de agricultura Inca

As salinas de Maras

Próxima parada, salinas de Maras (esse passeio não está incluso no boleto turístico). Um conjunto de “piscinas” que armazenam a água salgada do olho d´água Qoripujio, onde, desde a época dos Incas se explora a produção de sal. O visual é impressionante, a mistura do marrom da terra, o branco do sal e o reflexo do sol sobre as águas cria um cenário fotogênico e intrigante. Além disso, é possível comprar diversos tipos de sal, como a flor do sal, o sal rosado, sais misturados com temperos como cominho, alho, pimenta e o huacatay. Nós trouxemos uma variedade e adoramos! Ah, o huacatay é uma erva peruana usada num prato típico de rua o ocopa, que é basicamente batata, ovo cozido e molho de huacatay e aji (pimenta), a Isa provou essa bomba no café da manhã!

As salinas, ainda operando

O Vale Sagrado tem ainda outros lugares a serem visitados, como Písac, Kenko, Chinchero, mas não foi dessa vez, afinal sempre que amamos um país deixamos algumas peças do quebra cabeça faltando para justificar uma volta no futuro!

Senhora em vestes tradicionais

Sobre o boleto turístico:

Custa USD 50 válido por 10 dias ou USD 25 por um dia e serve para visitar várias atrações em Cusco e em diversos pontos do Vale Sagrado como: 1) próximos a Cusco: Saqsayhuamán, Kenko, Puka Pukara, Tambomachay 2) museus: Museu de Arte Contemporânea, Museu Histórico Regional, Museu de Arte Popular, Museu do Sítio de Qoricancha, Centro Qosqo de Arte Nativa, Monumento ao Inka, Pachacuteq, Pikillaqta, Tipón 3) sítios no vale sagrado: Ollantaytambo, Moray, Pisac, Chinchero

Matéria sobre Machu Picchu: http://www.daytrippers.com.br/destino/america-do-sul/peru/machu-picchu

Matéria sobre Cusco: http://www.daytrippers.com.br/destino/america-do-sul/peru/cusco

Próximos passos

Depois de 20 dias entre Cusco, Machu Picchu e o Vale Sagrado, agora vamos sentido litoral até Arequipa, a cidade branca, que nos espera com promessa de um bom trekking no Canion Colca, um dos mais profundos do mundo e um Rafting no Rio Chili.

Veja o álbum de fotos do Vale Sagrado dos Incas!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *