DayTrippers – Paixão em Viajar

Kullaberg: Belos Visuais Na Costa Oeste Da Suécia

Depois de garantir a última compra com preços melhores antes de entrar na Suécia, saímos de Copenhagen com destino ao pequeno vilarejo de Molle na costa Oeste da Suécia, onde está o Parque Nacional de Kullaberg.

Molle

Como tudo por aqui é muito perto, chegamos no parque ainda com tempo para curtir o dia, afinal era verão e até perdíamos a noção do tempo com as prolongadas horas de sol no hemisfério norte nessa época do ano . Pegamos um chuvinha logo que chegamos, mas como ventava bastante, logo ela se foi e deu espaço para o sol, aproveitamos para dar aquela caminhada, reconhecer a área e quem sabe encontrar um lugar para passar a noite, mas infelizmente descobrimos que é proibido acampar dentro do parque. O Parque é muito preservado, tem boa infraestrutura e a entrada é gratuita. Seguimos para o alto dos Cliffs, de onde se tem uma bela vista e nos aventuramos para umas fotos, também passamos pelo farol antigo de 1561 e o atual, ambos muito interessantes. Logo a chuva voltou, decidimos correr atrás de um canto para passar a noite e voltar no outro dia bem cedinho para explorar o parque.

Pelos Cliffs

Andamos muito em busca de um lugar para fazer “free camping”, uma vez que já sabíamos dessa possibilidade na Suécia, onde a terra é de todos e com respeito e consciência podemos usufruir da mesma. Mas tivemos bastante dificuldade em encontrar um canto que não fosse particular, até que entramos em um vilarejo vizinho à Molle, chamado Lerghman, onde finalmente encontramos um lugar, mas como tinha uma casa à frente, decidimos pedir permissão para acampar.

Lerghman no final da tarde

Quem atendeu foi um senhora que incialmente me pareceu um pouco confusa, mas de cara permitiu que montássemos acampamento em frente a sua casa e ali ficamos, de frente para o mar. Mais tarde, quando conheci seu filho, fui entender porque achei ela confusa, a senhora tem seus 98 anos! Mas super independente, mora sozinha, dirige seu próprio carro e ainda fala inglês, o que é muito comum na Suécia. Pra nós foi novidade encontrar alguém nessa idade falando inglês em um micro vilarejo no interior do país. Montamos barraca completa, pensamos até em fazer um churrasquinho, mas logo veio a ventania e a chuva, que nos fez mudar os planos e fechar a barraca, afinal o vento estava muito forte. Decidimos então dormir dentro do carro, e ali muitas vezes sentíamos o Curumim balançar com a força do vento. Ai como é bom ter um teto nessas horas!

Free camping

Na manhã seguinte os planos era acordar cedo, mas quando o despertador tocou, chovia tanto lá fora e a cama estava tão boa, que nem colocamos soneca…Só acordamos mais tarde e quando fomos preparar algo para comer, descobrimos um vazamento de baixo da pia do carro que estava danificando a madeira do nosso armário. Tivemos que colocar tudo para fora e trabalhar no encanamento da pia. Foi quando voltou a chover que descobrimos que o problema não era no encanamento e sim uma goteira de um dos milhares de buracos que a defender tem, espalhamos algumas vasilhinhas onde tinha vazamento e aguardamos a chuva estiar para investigar melhor de onde vinha essa água.


Gomes da Costa Carbonell

Foi um dia de preguiça, filmes, muita chuva e vento. No final do dia quando a chuva deu uma trégua, saímos para uma caminhada pela vila. É muito linda e diferente, casinhas tipicamente suecas e de locais com invernos rigorosos, ninguém na rua para nos contar uma história…daí ficávamos imaginando como é a vida das pessoas que vivem ali, aquelas casas à meia luz com muitas janelas de vidro e ninguém dentro, o clima gelado, os jardins arrumados, o lixo recolhido, a carta na caixa de correio e, ninguém na rua…cenário bucólico.

Voltinha pela cidade, casas estilosas

Bom, e dia seguinte quando o sol apareceu, fomos então ao assunto do lugar. Parque Nacional Kullaberg! Não dá pra dizer que é uma maravilha de outro mundo, mas sem dúvida rendeu uma bela caminhada, com visuais interessantes das rochas, penhascos e o mar de um tom azul escuro. Estando na região, vale muita a pena. Para melhorar, a amora e outras “berries” (frutas vermelhas) crescem soltas por lá, então comemos frutinhas deliciosas até dizer chega!

Isa se deliciando com as amoras

Rafa pelo Kullaberg

No caminho para Noruega ainda paramos nas Pedras de Blomsholm, uma espécie de Stonehenge da Suécia, um monumento ritualístico de 49 pedras em forma de um navio de 42 metros construído por volta do ano 400-600 D.C.

Rafa no navio de pedras

Próximos passos

A caminho da Noruega, na expectativa de preços altissimos e natureza espetacular! Mas a entrada no país será por Oslo, uma capital que não promete muito… Veja no link: http://www.daytrippers.com.br/oslo

Rafa no navio de pedras

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *