DayTrippers – Paixão em Viajar

A Feira De Artesanato De Otavalo E O Anfitrião Incomum Em Ibarra

No norte do Equador, mais precisamente em Ibarra, ficamos em uma das hospedagens mais interessantes até agora na viagem. Um australiano, ex-mochileiro que se estabeleceu na cidade com um viveiro de plantas e separou uma suíte da sua casa para receber viajantes gratuitamente. Trata-se de um sujeito quieto e de um coração enorme, que oferece aos viajantes um ótimo lugar para descansar da estrada. Ficamos ali com o Graham uns dias, compartilhando refeições, conhecendo seus amigos, e também com um outro viajante alemão que preparou salsichões com mostarda, prato típico alemão.

Jantando com Graham

Nesse tempo fomos conhecer ali perto a feira de Otavalo, a maior feira de artesanato que já vimos. Ela se espalha por diversas ruas e praças da cidade, oferece de tudo, desde quinquilharias falsificadas até o que de fato se propõe, o típico artesanato indígena equatoriano. Uma infinidade de artefatos de sementes, argila, quadros, colares, bolsas e muito tecido, sendo típica ali uma calça macia, confortável e colorida que nós não resistimos, a Isa pechinchou e compramos a poucos reais.

Pela feira de Otavalo

Não dá pra dizer que nos apaixonamos pela feira, acho que esperávamos algo mais tradicional e artesanal, mas caminhamos de ponta a ponta e nos divertimos. A área de comidas também era bem interessante, seja pelos vegetais frescos ou os pratos típicos da culinária andina. Também observamos e fotografamos bastante os trajes locais, as mulheres sempre com o cabelo envolto por fitas coloridas, colares de miçangas douradas e roupas tradicionais branca com babados e tecido preto por cima, além dos traços da população predominantemente indígena. Valeu a tarde!

Detalhe do traje e cabelo

Também perto de Ibarra e por dica do Graham fomos ao Cuicocha, um vulcão extinto cuja cratera se transformou em um lago azul com duas ilhas no meio. Primeiro descemos até à margem do lago e descansamos os olhos naquela paisagem, enquanto alguns barcos partiam e voltavam levando turistas para girar em volta das ilhas. Parecia um passeio bonito, mas queríamos mesmo era chegar no mirante indicado pelo nosso anfitrião, um ponto que poucos conhecem.

Margem do Cuicocha

Estrada de terra acima, fizemos uma curva fechada à direita, chacoalhamos o curumim e voilà! Uma vista impressionante de toda a imensa cratera, a água azul brilhando com o reflexo do sol, aos pés de outro vulcão, o Cotacachi, só para nós. Admiramos por um bom tempo, agradecemos o privilégio de estar ali e fomos nos preparando para partir pois o vento frio cortava.

Mirante do Cuicocha com o Cotacachi ao fundo

No nosso último dia de Equador, acordamos cedo e fomos direto para uma sorveteria pra lá de tradicional em Ibarra. Desde 1896 a sorveteria Rosalia Suarez prepara sorvetes com um diferencial: Na receita somente fruta e claras de ovo, uma delícia! A diferença é que na época da inauguração não havia geladeira, o gelo vinha das geleiras nas montanhas.

Um par de sorvetes para o casal!

Hora de preparar pra uma nova fronteira. Tínhamos cogitado voltar para o Brasil pelo Peru, mas a vontade de conhecer Colômbia e Venezuela nos fez superar a preocupação que faz boa parte dos viajantes não entrarem nesses países. Pela frente vinha uma fronteira agitada, marcada por anos de intenso tráfico de drogas e contrabando de combustível. Os tramites de saída do Equador demoraram três horas de muita fila e preocupação se nosso diesel extra seria confiscado. Tudo saiu bem, rumo a Colômbia!

Crianças que encontramos ao errar o caminho

>Confira a galeria de fotos de Otavalo & Ibarra!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *