DayTrippers – Paixão em Viajar

A Rota Da Seda

O fato é que quando começamos nossa volta ao mundo não planejávamos fazer a histórica Rota da Seda como fizemos. Iríamos pelo sul da Ásia, onde o comércio da seda era feito por mar, através da Índia até o sudeste asiático mas a instabilidade política no Paquistão e o alto custo do “Carnet de Passage” nos fez alterar para a alternativa norte, uma rota de comércio verdadeiramente “overlander” desde os tempos de cristo até meados do século XV, por países dos quais pouco ouvimos falar na Ásia Central e passando pela remota Mongólia até cruzar a China.
A Rota da Seda não é nem nunca foi uma única estrada, mas sim um conjuto de rotas comerciais que ligavam o Império Romano ávido pelo tecido leve e macio que a China produzia sob o mais absoluto segredo industrial. E não era só a seda que viajava com as caravanas em camelos, burros, iaques e cavalos mas muitas outras mercadorias, pedras preciosas, ópio, especiarias e junto a elas um intercâmbio intenso de culturas, costumes, religiões, artes e inovações tecnológicas como a pólvora e a impressão que o chineses inventaram 600 anos antes de Gutemberg.
Começamos a rota em Istambul na Turquia onde a seda terminava seu longo caminho da China até o Império Romano e a Europa. Istambul, então Constantinopla, era capital do Império Romano do Oriente e um dos principais centros de comércio da época, hoje em dia é o ponto de partida para os overlanders que vão fazer a rota da seda, seja para preparação dos vistos, do carro ou adaptação ao mundo muçulmano.
Na sequência vem um país que gera quase sempre a mesma pergunta. Mas vocês vão para o Irã? Essa era a reação de boa parte das pessoas que recebiam a notícia que em breve iríamos para o Irã. Vindos da Geórgia e da Armênia na cordilheira dos cáucasos chegamos à República Islâmica do Irã para sair do inverno das montanhas diretamente para o verão dos desertos. Esqueça qualquer impressão de hostilidade que a mídia possa ter colocado na sua cabeça, o Irã é dos países que mais nos sentimos seguros e bem-vindos. Aliás podemos chamar essa sensação que tivemos de uma regra geral, é consenso entre os viajantes que não há povo mais hospitaleiro nesse mundo que abre a casa, oferece comida, convida para um casamento, apresenta toda a família, conserta seu carro de graça e que só quer em troca que você fique mais. Estamos adorando.

Próximos Passos

Na sequência iremos para a Ásia Central, os países terminados em “istão” que também são ex-repúblicas soviéticas e majoritariamente muçulmanos. Turcomenistão, Uzbequistão, Tajiquistão, Quirguistão e Cazaquistão até cruzar para Rússia e chegar na Mongólia. Serão mais ou menos 20 mil quilômetros em 9 meses até chegarmos ao ponto inicial da fantástica Rota da Seda no extremo oriente, Beijing, a capital da China, ainda hoje a maior produtora de seda do mundo.
Rota da Seda
Rota da Seda
Rota da Seda
Rota da Seda
Rota da Seda
Rota da Seda
Rota da Seda
Rota da Seda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *